Geraldo sumiu

facebooktwitterrssyoutubeinstagram

Já podíamos ver ao menos uma ambulância no último semáforo que separava o caos das ruas do nosso caos aqui no PS, quando…
– Doutora, doutora!? O Geraldo sumiu! — Anunciou esbaforida a enfermeira.
– Geraldo?! Que Geraldo?  Indaguei
– O Geraldo, Doutora. O “cirrose” do leito 9!
– O “cirrose” do leito 9?! O Geraldo?
– Isso mesmo, Doutora. Já procuramos por todo lado.
O susto foi tamanho que por um segundo esqueci da bronca que acabara de chegar. 12 pessoas que se envolveram num acidente de ônibus.
– E agora, o que vamos fazer? — Perguntei.
– Eu esperava que a senhora soubesse! Aiii! — Esbravejou um dos 12 envolvidos no acidente que agonizava em função de uma fratura exposta.
– Não, não, eu não falei com o senhor. — Tentei esclarecer.
– Além de despreparada é mal educada! Aiii! Aaaaiii, minha perna! — Rebateu o senhor “fratura exposta”.
– Não, não, me desculpe, senhor. Estava resolvendo um problema aqui com a enfermeira. — Expliquei
- Ah, que ótimo! Enquanto você discute seu problema aí, eu dou uma “morrida” aqui! Aaaaiii! Não me leve, senhor! Me ajude, ó pai!
As vezes, o melhor a se fazer é deixar o dito pelo não dito. Não podia negar minha vontade de estrangular o senhor “fratura exposta” até fazê-lo entender que tudo não passava de um mal entendido, mas lembrei que isso não aliviaria sua dor e nem faria Geraldo aparecer.
– Que filho da mãe, Doutora! — Completou a enfermeira.
Geraldo havia dado entrada no PS em função de uma descompensação hepática, mas seu poder de persuasão havia levado alguns funcionários do hospital a investir em uma rifa cujo prêmio seria um carro e o montante arrecadado financiaria os custos do seu tratamento.
– Filho da mãe?! Nunca fui tão humilhado! Vocês vão se ver comigo, suas…
– Não, senhor. Ela não teve a intenção de ofendê-lo. — Interrompi o senhor “fratura exposta” antes mesmo de ouvir o que para ele era uma resposta ao desabafo da enfermeira.
Enquanto o senhor “fratura exposta” expressava toda sua ira em meios aos gritos de dor, uma imagem me fizera desconectar daquela celeuma. Esfreguei meus olhos, pois parecia não acreditar no que via. Em uma das macas que saia das ambulâncias, vi o semblante de desespero de uma das vítimas daquele acidente. Era um desespero ainda mais desesperado que o das demais vítimas. Era o desespero de quem se dera conta que havia sido apanhado. Era ele: Geraldo, o “fujão trambiqueiro do leito 9″.

facebooktwitter
Um comentário
  1. Silveira

Deixe um comentário

Google+